Zen

Estudar o caminho de buda
É estudar a si mesmo
Estudar a Si mesmo
É esquecer-se de Si mesmo
Esquecer-se de Si mesmo
É estar iluminado por todas as coisas
Estar iluminado por todas as coisas
É libertar seu próprio corpo e mente
e o corpo e mente dos outros...


Mestre Dogen

Quando Alguém Pergunta, " Qual o Caminho ? " O Zen Responde Simplesmente Caminhe...


mensagem do petrô

texto sobre Ivan Petrovitch

UM "HAIJIN"

Como dizia Cézanne, "a sensibilidade caracteriza o indivíduo e,no seu grau mais elevado,distingue o artista."

Ivan Petrovitch é um verdadeiro artista,que vê as coisas e acontecimentos com olhos amanhecentes,às vezes de criança.

O mundo que as pessoas percebem,no cotidiano apressado,possui outras faces,inéditas,que os haicais de

Ivan captam,em "insights" criativos.

Dois exemplos:

incêndio na mata

galhos secos e retorcidos

ferem os olhos de Deus

são tantas estrelas

neste universo sem fim

cadê minha mãe ?

Impossível não perceber nestes poemas concisos a transcendente iluminação poética(principalmente no se-

gundo,já que se refere a estrelas...)

CLÁUDIO FELDMAN - autor de mais de 47 livros, professor e poeta.

lua

lua

caqui

caqui

chuva

chuva

borboleta

borboleta

10 de jul de 2008

Algusto de Campos- poeta concretista

Eis os Amantes de Augusto de Campos

O poema eis os amantes faz parte da série de poemas intitulada poetamenos, inicialmente publicada em 1953.

Toda a série é estruturada na relação entre as cores primárias e as cores secundárias. Augusto de Campos buscou no estudo sobre cores feito pelos pintores concretos e por Piet Mondrian (Boogie-Woogie) a base para suas criações. Outro conceito importante para o poeta é a Klangfabernmelodie, um tipo de notação musical elaborado por Anton Webern em que as cores servem para identificar os diferentes timbres dos instrumentos musicais. Esse conceito tem papel fundamental para a realização do projeto verbivocovisual, tão caro aos poetas concretos.

Ao longo dos seis poemas nos deparamos com um tema comum: a ausência da amada, a distância física e todas as sensações oriundas dessa separação. O próprio nome poetamenos já lança ao leitor os indícios dessa incompletude. Esse sentimento apresenta-se nos poemas pelo uso da cor. Entre as cores primárias (cores puras) e as secundárias (formadas a partir de duas cores primárias) constatam-se as relações de ausência, contraste e complementariedade.

O poema é formado por duas cores: o azul e o laranja (cor complementar). Essas cores representam no poema a figura do poeta e da amada. Eis os amantes possui eixo de força central, todo poema está alinhado a partir do centro da página. O tema é o mesmo de The Extasy, de John Donne (1572-1631): a dialética se expressa nas palavras que se fundem ou se separam. Percebemos isso no fragmento da tradução que Augusto de Campos fez do poema:

Mas que assim como as almas são misturas

Ignoradas, o amor reamalgama

A misturada alma de quem ama,

Compondo duas numa e uma em duas. (1986, p.47)

A palavra é o corpo do outro, “cimaeu baixela” e o poema encena, espacial e cromaticamente, a fusão dos amantes. O poema é estruturado através do método de criação de “palavras-valises”, encontrado nos textos de James Joyce. Esse procedimento, aliado à utilização das cores complementares, dá a sensação de fusão entre as palavras, assemelhando-se ao ato sexual entre os amantes, como o próprio nome do poema já diz. Esta fusão entre opostos também é verificada na oralização do poema feita por Augusto de Campos e Lygia Azeredo, em 1953, presente no CD do católogo da exposição Arte Concreta Paulista, de 2002. Na gravação, o poeta recita as partes do poema grafadas em laranja, enquanto Lygia as grafadas em azul. Ao juntar a versão oral com a versão impressa do poema, forma-se uma trama verbivocovisual inseparável.

Poetamenos (Augusto de Campos)

eis os amantes (1953)

A proposta tradutória, elaborada a partir do poema eis os amantes, traz os mesmos elementos do texto de partida e acrescenta o movimento e o som. Aqui temos uma animação em que os elementos gráficos do poema seguem o movimento feito pelo leitor através do mouse. Para tal, foi utilizado a programação em ActionScript para criar o efeito do texto seguir o mouse e da simulação de gravidade no texto.

Ao leitor, é dado o poder de interferir nesse movimento, porém não é permitido separar seus elementos. Soma-se a esse procedimento a criação de “células sonoras” que estão espalhadas pela tela e só são ouvidas quando o mouse passa sobre esses espaços.

Com os procedimentos empregados na tradução pretende-se criar a sensação de fusão das cores azul e laranja percebidas no texto de partida.

Tradução criativa de eis os amantes (2007) disponível .

Edifício de E. M. de Melo e Castro

O poema visual Edifício faz parte da série Ideogramas, de 1962, em que Melo e Castro mais aproxima seu trabalho da Poesia Concreta Internacional.

O poema é formado apenas de duas palavras: cimento e ferro. Tais palavras representam os elementos mais utilizados na construção civil. O uso dessas palavras no poema se dá de várias maneiras: no sentido correto, de trás para frente (efeito de espelhamento), com a repetição da letra f e o, e, com espaçamentos entre as letras diferentes. Além disso, constatamos a existência de dois eixos, um horizontal e outro vertical, que se cruzam em vários pontos formando uma estrutura que assemelha-se com o esqueleto de um edifício.

Image

Edifício (1962)

Nenhum comentário:

Reflexão

pesquise no blog

Pesquisa personalizada